Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Você sabe como estudar (2)

Complementando a Dica sobre um dos métodos que você pode usar para estudar. (Veja a primeira parte)

 

Ações complementares à leitura

 

Sublinhados

Os sublinhados ajudam-nos a reler rapidamente o essencial de um texto, sem efetuar uma leitura completa. Devem, por isso, ser usados com critério, apenas nas palavras ou frases fundamentais. Se várias frases ou mesmo parágrafos merecem ser sublinhados integralmente, o sublinhado pode ser substituído por traços verticais nas margens, ao lado do texto que se pretende destacar. Esta alternativa permite usar vários tipos de traços que podemos convencionar, como, por exemplo, traços duplos para parágrafos muito importantes, linhas onduladas para exemplos, etc.

  

 Apontamentos

 

Os apontamentos em caderno próprio permitem rever o assunto algum tempo depois, sem haver necessidade de voltar a ler o texto completo. Os apontamentos não devem ser meras transcrições de partes do texto, mas sim resumos produzidos por nós. Poderão ser constituídos por frases ou por esquemas gráficos que sintetizem relações (setas, desenhos, símbolos diversos).

O resumo:

  • abrevia o texto inicial

  • conserva as idéias principais do texto inicial

  • utiliza palavras ou símbolos originais de quem resume misturadas com palavras-chave do texto inicial

Qualquer resumo é apenas um de entre vários que é possível fazer. Elaborar resumos treina a capacidade de síntese e desenvolve uma maior facilidade de expressão. Mas o principal interesse dos apontamentos está em outro fato: é que o esforço gasto na sua execução ajuda a compreender as idéias contidas no texto estudado e contribui de forma decisiva para a sua memorização.

 

 

Concluindo esta seção, um exemplo de elaboração de um apontamento resumido a partir da leitura. Sendo o exemplo feito a partir de um texto curto, não será feita a leitura “em diagonal”. Assim, leia o seguinte texto de forma corrida (leitura completa):

Se convidarem as pessoas para dizerem o que lhes vier à cabeça sobre a paciência, obterão respostas do tipo: “Uma mulher resignada, um boi, uma pessoa de idade que deixa passar o tempo”. Por outro lado, a impaciência: “Um jovem ativo, um chefe que dá ordens de forma arrogante, uma mulher bela e caprichosa”. Há, portanto muita gente que considera a paciência e a impaciência duas qualidades inatas, como a cor dos olhos ou o comprimento do nariz. Alguns vangloriam-se até da impaciência do marido ou da mulher. “Não consegue estar quieta um momento, não suporta demoras”, dizem, como se fosse uma demonstração de vivacidade intelectual ou força de caráter.

Estou, no entanto, convencido que a paciência é uma virtude fundamental. E, para começar, não é realmente inata. A paciência aprende-se, constrói-se com o exercício pertinaz da vontade. A criança é impaciente. Quando tem fome, chora, se a mãe não está, fica desesperada. O adolescente é impaciente. Para ele é um castigo estar fechado umas horas na escola. Mas também a criança, também o jovem, se quiserem conseguir alguma coisa num desporto, do futebol à pesca, têm de começar por disciplinar os seus impulsos. Têm de aprender a estar quietos, atentos, e depois explodir quando for o momento, nem antes, nem depois. Têm de repetir pacientemente centenas de vezes o mesmo gesto para o aperfeiçoarem. (Francesco Alberoni, O optimismo).

  1. Para um leitor experimentado, esta primeira leitura deixa uma idéia global do conteúdo do texto. Porém, diversos leitores não terão atingido uma compreensão mínima satisfatória, até porque talvez existam algumas palavras de significado obscuro.

  2. O estudo será feito com o auxílio de um dicionário para compreender o significado de palavras difíceis. Vamos supor que havia as seguintes dúvidas:

           resignaçãopaciência com que se sofrem os males, cedência voluntária, conformismo
           inatoque nasce com o indivíduo e não resulta da aprendizagem ou da experiência
           vangloriar-seorgulhar-se, manifestar vaidade
           pertinaz
tenaz, teimoso, que demonstra firmeza

  1. Efetue uma leitura de estudo, introduzindo os significados das palavras obscuras e tentando identificar as idéias fundamentais expressas no texto. Registrar essas idéias fundamentais num esquema. (Mesmo que tenha compreendido o texto, sugerimos que releia o texto neste momento. Verifique que a segunda leitura aviva o sentido do texto)

  2. Um esquema das idéias fundamentais resultantes da leitura em estudo poderá ser o seguinte:

 

opinião corrente:
           paciência = inactividade, fraqueza
           impaciência = actividade, vivacidade, força
           qualidades inatas

realidade:
           paciência = virtude
           qualidade não inata (crianças são impacientes)
           sucesso >>> atenção e repetição pacientes

  1. O esquema anterior pode ser transformado num apontamento resumido. Eis dois exemplos possíveis:

É opinião corrente que a paciência é um sinal de fraqueza e de inatividade, enquanto a impaciência revela uma atividade intensa e uma personalidade forte, sendo atributos que nascem com a pessoa e definem o seu caráter. Na realidade, todas as crianças são impacientes e ser paciente é uma virtude, um sinal de maturidade. Para atingir o sucesso em qualquer atividade é necessário um caráter forte, tendo paciência para estar com atenção e para repetir centenas de vezes o mesmo gesto, até ele estar perfeito.

A opinião corrente associa a paciência a uma fraqueza inata das pessoas inativa. Mas todas as crianças são impacientes, verificando-se que qualquer atividade, para ser feita com perfeição, exige uma aprendizagem paciente, só possível a quem tem força de vontade. Então, a paciência é uma virtude fundamental.

 

 


Elaboração das respostas

Parte do insucesso do aluno começa na forma pouco cuidada com que elabora as suas respostas nos testes escritos. Eis algumas idéias básicas para melhorar a qualidade das respostas:

·         Alguns alunos elaboram a resposta partindo do princípio de que ela vai ser lida por uma pessoa que conhece o assunto (o professor). No entanto, a qualidade da resposta tende a aumentar se o aluno elaborar a resposta fingindo que ela se destina a ensinar a alguém que desconhece o assunto. Experimente redigir as respostas como se o destinatário fosse um aluno mais novo.

·         As frases curtas são mais fáceis de escrever (e de ler) do que as longas. Porém, os alunos que revelam maiores dificuldades de expressão insistem em construir frases longas. Se tem dificuldades em se exprimir, use e abuse do ponto final.

·         Na maior parte das questões dos testes é esperada uma resposta curta, clara e objetiva. Assim, elabore uma primeira resposta em rascunho e depois tente dizer o mesmo de forma mais direta e com menos palavras.

·         As idéias devem ser expressas em progressão lógica. Uma forma fácil de o fazer é usar expressões de associação ou contraste, regra geral no início das frases, como: além de, embora, contudo, porém, no entanto, por outro lado, assim, etc. Os tópicos anteriores são exemplos desta técnica.

·         A qualidade da escrita melhora com a leitura de bons textos publicados em livros, revistas e jornais. Para praticar a escrita, experimente copiar textos interessantes (parágrafos, pensamentos, poemas…) ou elaborar um diário pessoal onde se registrem idéias, experiências e sentimentos.


Vejam alguns exemplos extraídos de respostas reais.

           Exemplo 1

Texto original

 

Texto alternativo

Há um grupo de pessoas que gostam mais das características de um programa televisivo e outro grupo que gosta de ver outros com características diferentes da anterior.

 

Há pessoas que preferem um tipo de programa televisivo. Outras preferem programas com características diferentes.

      Comparação:

Texto original – 1 frase, 27 palavras, confusão de sentido com a colocação próxima das palavras “outro” e “outros“, discordância singular-plural.
Texto alternativo – 2 frases, 15 palavras.

           Exemplo 2

Texto original

 

Texto alternativo

Uma empresa é um conjunto de pessoas isto é, sócios que se juntam de modo a formar uma empresa, com a finalidade de prestar bens ou serviços à comunidade, de modo a que uma empresa possa ser viável. A empresa pode ser com ou sem fins lucrativos neste último caso trata-se das cooperativas que são empresas criadas para prestar serviços à comunidade e que não têm fins lucrativos.

 

Uma empresa é um conjunto de pessoas que se juntam com a finalidade de produzir bens ou serviços para a comunidade. A empresa pode ter ou não fins lucrativos. Exemplo deste último caso são as cooperativas.

        Comparação:

Texto original – 2 frases, 68 palavras, deficiente pontuação, repetição de expressões como “empresa” (5 vezes), “prestar serviços à comunidade” (2) e “fins lucrativos” (2).
Texto alternativo – 3 frases, 36 palavras.

 

______________________________________________________________

Fonte: Site Esec-Tondela (Portugal)

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário