Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Veja as provas canceladas do Enem 2009!

 

Prova do 1º dia!

Prova do 2º dia!

Gabaritos dos 2 dias!

Aqui, vc tem todas as informações sobre o cancelamento.

 

Novas Informações do MEC

O ministro Fernando Haddad anunciou, neste domingo (4/10) que o Ministério da Educação divulga, provavelmente, na quarta-feira (7/10), a nova data do Enem 2009. A decisão será tomada depois de quatro reuniões a serem realizadas na segunda e terça-feira. “Na quarta-feira já poderemos fechar o diagnóstico e apresentar os novos processos para realização do Enem. Divulgaremos os procedimentos de segurança, parceiros envolvidos e a data do novo Exame”, afirmou o ministro.

Na manhã desta segunda-feira (5/10), continua a reunião entre os técnicos do Inep e do MEC com os representantes do consórcio de empresas responsáveis pela realização do Enem, interrompida na madrugada de sábado (3/10). Às 15h30, o ministro Fernando Haddad reúne-se com o Comitê de Governança do Enem 2009, que reúne reitores de Universidades e Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, secretários estaduais e municipais de Educação, além de representantes do MEC.

Na terça-feira (6/10), o ministro reúne-se com os os reitores das 55 universidades federais de todo o país, através da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Depois, encontra-se com o ministro da Justiça, Tarso Genro, para discutir o inquérito sobre o vazamento da prova e também para apresentar um mapeamento dos processos tomados para a prova adiada e pedir a colaboração do serviço de inteligência da Polícia Federal para o novo Exame. 

“O país foi vítima de um ato de delinquência que prejudicou toda a sociedade – estudantes, universidades, governo”, afirmou o ministro. Ele reiterou ainda que “é lamentável que um ato delinquente tenha colocado em risco uma conquista de toda a sociedade para a democratização do ensino superior, como é reconhecido o Enem”.

O ministro da Educação elogiou o trabalho da Polícia Federal. “Temos uma polícia eficiente, que em cerca de 48 horas conseguiu chegar aos responsáveis pelo crime”. O delegado responsável pelas investigações informou ao ministro que a investigação está extremamente avançada. “Chegar aos responsáveis era uma questão de honra”, concluiu o ministro.

(Assessoria de Comunicação Social Inep/MEC)

MEC decide afastar o Consórcio

O Ministério da Educação quer rescindir o contrato com o consórcio Connasel, responsável pela aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), e busca uma forma jurídica para tomar a medida.

Segundo apuração do jornal Folha de São Paulo, o ministro Fernando Haddad pediu relatório ao departamento jurídico para ter “segurança de que sua decisão terá respaldo” e o ministério não correrá riscos de ser obrigado a pagar multa ou parcelas do contrato.

O valor total do contrato é de R$ 116 milhões, dos quais já foram gastos R$ 35 milhões com a impressão da prova que vazou e terá de ser descartada. O relatório será entregue hoje (5/10) ao ministro pela sua área jurídica.

Haddad, segundo assessores, está decidido a afastar o Connasel depois de firmar a convicção de que o grupo cometeu “diversas falhas”. Entre elas, na segurança da prova, já que o vazamento ocorreu numa fase de responsabilidade do consórcio.

No final de semana, a Polícia Federal praticamente esclareceu o furto do exame – dois suspeitos foram indiciados e um terceiro, que era contratado do Connasel e atuava na gráfica responsável pela impressão das provas, deve ser indiciado hoje.

Além disso, o Connasel permitiu que professores levassem as provas para suas casas, uma falha considerada “grave” pelo ministério. “Amanhã [segunda-feira, 5/10] será uma reunião conclusiva com o consórcio, porque há questões jurídicas a serem elucidadas”, disse o ministro.

O consórcio nega falhas na segurança e deve entregar nesta segunda-feira um relatório com respostas a vários questionamentos feitos pelo MEC aos procedimentos adotados para o Enem.

Caso haja embasamento jurídico para a rescisão do contrato, o MEC buscará, primeiro, conversar com empresas e entidades para checar se elas têm condições de assumir a aplicação do Enem. Na lista estão a Cespe/UnB, a Cesgranrio e a Fundação Carlos Chagas.

(Fonte: jornal O Globo)

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário