Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Superuniversidade

Nsta terça-feira (10/08), será dado o primeiro passo oficial para formação de um consórcio público envolvendo sete universidades mineiras. Os reitores das federais de Juiz de Fora (UFJF), de Alfenas (Unifal), Itajubá (Unifei), Lavras (Ufla), São João del-Rei (UFSJ), Ouro Preto (Ufop) e Viçosa (UFV) assinam um protocolo de intenções para a criação da chamada “superuniversidade”, que, caso se torne realidade, passará a ser a 3ª maior do país. A cerimônia será no campus da UFSJ em Divininópolis e contará com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Educação, Fernando Haddad. Na ocasião, Lula inaugura o campus que recebe o nome de sua mãe, Dona Lindu.

O objetivo do consórcio das unversidades é fortalecer o ensino, pesquisa, extensão e a relação com o Governo Federal. O documento, como definido pelo próprio nome, é uma proposta preliminar com algumas diretrizes básicas e bem genéricas, conforme classificou o reitor Henrique Duque (UFJF). Ele disse que a ideia foi lançada pelo ministro, que tem frequentemente colocado na pauta dos reitores assuntos urgentes, algo considerado positivo por Duque. “Nos dá oportunidade para repensar, discutir o que somos, onde estamos e o que queremos”.

UFJF

O protocolo a ser assinado não significa que a UFJF irá entrar no consórcio. Este assunto será debatido pelo Conselho Superior (Consu) até que seja decidido o melhor para a Universidade. “Quero reunir opiniões de diferentes especialistas, fazer isso ‘a quatro mãos’, para que o Consu esteja embasado”. A decisão final deve ser dada até o dia 15 de outubro, quando termina o prazo concedido pelo MEC para a formação do consórcio. Segundo o reitor, em reunião não-oficial realizada com diretores de unidade e membros da administração superior na sexta-feira (6/08), foi dado o aval para que ele assine o protocolo.

Apesar da proposta ainda não ser definitiva, o reitor da UFJF está confiante no “espírito” do consórcio. “Nosso anseio é ver esse embrião se desenvolver para que o produto final corresponda as nossas expectativas”. Mesmo depois de formada a “superuniversidade”, cada instituição seguirá com seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e com sua autonomia, podendo deixar o consórcio a qualquer tempo. De acordo com Henrique Duque, o PDI unificado do consórcio será a soma dos sete planos individuais.

Benefícios

Na graduação, todas as universidades mineiras são fortes, o que poderá contribuir para melhorar o ensino, através da mobilidade e da melhor distribuição de recursos e equipamentos. “Estando dentro da sua grade, a ideia é que o estudante possa cursar a disciplina na universidade que quiser”, diz Duque.

Ainda segundo o reitor da UFJF, com relação à pesquisa, as propostas de financiamento podem ser unificadas garantindo maior competitividade e otimização na aplicação de recursos. Na pós-graduação, a tendência é que os programas stricto sensu se fortaleçam e que os mais bem conceituados agreguem os mais fracos. Com relação ao ingresso de alunos, Henrique Duque diz que nada muda este ano. No entanto, caso aprovado o consórcio, será pensada a possibilidade de um vestibular com provas unificadas e datas coincidentes onde o candidato escolhe em qual universidade deseja estudar.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário