Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Perfil educacional

 

O IBGE divulgou, nesta sexta-feira (22/05), o estudo “Aspectos Complementares da Educação de Jovens e Adultos e Educação Profissional”, suplemento da Pnad 2007 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), realizado pelo Instituto, em convênio com o Ministério da Educação. Eis alguns destaques:

– A rede privada de ensino atende a maioria dos alunos da educação profissional no país: 53,1% das pessoas de 10 anos ou mais que frequentavam em 2007, ou haviam frequentado anteriormente cursos desse tipo, foram atendidas por instituições particulares1, 22,4% por instituições públicas e 20,6% pelo Sistema S de ensino (Senai, Senac, Sebrae etc.).

– Problema financeiro para custear a formação foi o principal motivo alegado por 25,5% de um contingente de 2,4 milhões de pessoas que se inscreveram, mas não concluíram curso de qualificação profissional (10,2% do total que frequentou). O curso de qualificação profissional mais procurado, em 2007, era o de informática, seguido por comércio e gestão.

– A Educação de Jovens e Adultos (EJA) era frequentada em 2007, ou anteriormente, por cerca de 10,9 milhões pessoas, o que correspondia a 7,7% da população com 15 anos ou mais de idade. Das cerca de 8 milhões de pessoas que passaram pela EJA antes de 2007, 42,7% não concluíram o curso, sendo que o principal motivo apontado para o abandono foi a incompatibilidade do horário das aulas com o de trabalho ou de procurar trabalho (27,9%), seguido pela falta de interesse em fazer o curso (15,6%).

– Nos cursos de Alfabetização de Jovens e Adultos no país (AJA), o perfil mais comum de aluno era mulher, com mais de 50 anos, nordestina, com rendimento domiciliar per capita de até 1 salário mínimo.

Veja a pesquisa completa, no site do IBGE

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário