Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Oficialização

 

A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) comemorou os 15 anos de reconhecimento oficial como universidade. Em 21 de julho de 1994, por delegação do presidente da época, Itamar Franco, o então ministro da Educação, Murílio Hingel, assinou a Portaria oficializando o reconhecimento da instituição com base no parecer do Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais (CEE).

“Trata-se de uma data altamente significativa e que deve ser comemorada por toda a comunidade acadêmica e pela sociedade regional. Com o reconhecimento, a Unimontes obteve sua autonomia, o que permitiu a expansão de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão”, afirma o reitor, professor Paulo César Gonçalves de Almeida.

Ele destaca que a autonomia foi resultante de uma “verdadeira luta”, que contou com a efetiva participação das lideranças regionais, nos seus mais diversos segmentos. “Foram muitas as pessoas que contribuíram no processo de reconhecimento da Unimontes. Todas, indistintamente, foram muito importantes e valiosas”, afirma o reitor.

A Unimontes, que, em maio último, completou 47 anos de existência, terá, ainda em 2009, outra comemoração importante: em setembro serão celebrados os 20 anos como universidade pública estadual. Por intermédio da Constituição Mineira, promulgada em 21 de setembro de 1989, a antiga Fundação Norte Mineira de Ensino Superior (FUNM) era transformada na Universidade Estadual de Montes Claros. “Este foi, sem dúvida alguma, um acontecimento histórico que modificou inteiramente, e para melhor, o panorama do ensino superior nestas regiões e, sem exagero, no próprio Estado”, enalteceu o reitor Paulo César de Almeida.

O professor Paulo César de Almeida destaca que, a partir da autonomia, oficializada com o reconhecimento oficial, foi ampliado o número de cursos de graduação e de pós-graduação, sendo implementados diversos projetos de pesquisa e extensão voltados para a melhoria das condições de vida da população. Além disso, teve início o processo de expansão, com a implantação de campi e cursos fora da sede.

Atualmente, a Unimontes conta com mais de 10 mil alunos matriculados nos cursos de graduação. Além dos cursos do campus-sede, estão em funcionamento 10 campi instalados nas regiões Norte e Noroeste de Minas e no Vale do Jequitinhonha (Almenara, Bocaiúva, Brasília de Minas, Espinosa, Janaúba, Januária, Pirapora, Paracatu, São Francisco e Unaí), além do núcleo em Joaíma.

“Todo esse processo de expansão teve como ponto de partida o reconhecimento federal, que, além da ampliação da estrutura física, possibilitou a captação de mais recursos junto aos órgãos públicos e às agências de fomento e financiadores de projetos acadêmicos e de investigação científica e tecnológica”, avalia o reitor.

O reconhecimento ocorreu na gestão do ex-reitor, professor José Geraldo de Freitas Drumond, que destaca a conquista como uma das mais importantes da história da instituição.

José Geraldo Drumond ressalta que o reconhecimento federal proporcionou uma verdadeira transformação na universidade. “A decisão mudou completamente o contexto da instituição. A universidade ganhou autonomia. Isso permitiu que pudesse ampliar suas ações e cumprir sua missão de promover conhecimento e pesquisas voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população”, observou.

Na avaliação da ex-pró-reitora de Ensino, professora Maria Cleonice Souto de Freitas, “o reconhecimento da Unimontes como universidade pública abriu as portas para a instituição, que teve condições de expandir suas ações, atendendo as demandas da comunidade regional”.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário