Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Medicina na Rússia

 

A Universidade Médica Estatal de Kursk (Kursk) está com 20 vagas abertas para o curso de medicina em inglês. Os interessados podem realizar as inscrições até 24 de abril por meio da Aliança Russa de Ensino Superior, entidade representante oficial das melhores instituições estatais russas no Brasil.

Mais informações através do (11) 3854-2515 ou dos sites www.aliancarussa.com.br e www.medicinarussia.com.br. O embarque dessa turma está previsto para o mês de junho.

Agora, 29 brasileiros estão de partida, no dia 29 de abril, para estudar biologia, medicina, relações internacionais, farmácia, filologia e jornalismo na Rússia. Lá, eles serão encaminhados para Universidade Estatal de Belgorod (BelGu) e para a Universidade Amizade dos Povos (Moscou). Já a Universidade Médica Estatal de Kursk (Kursk) recebe 17 alunos de medicina.

Do total dos alunos que viajam no final de abril, 16 são do Estado de São Paulo. Outros três vêm do Maranhão. Amazonas, Ceará e Goiás enviam dois representantes. Já Alagoas, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio de Janeiro mandam um estudante.

A vontade de estudar no exterior é um dos principais pontos que motivam brasileiros a embarcar para a Rússia. É o caso do alagoano André Menezes de Souza, de 19 anos. “Quero estudar lá, porque é um país que oferece um ensino de qualidade e, de modo geral, uma estrutura melhor. Estou ciente que terei algumas dificuldades como a adaptação à cultura e ao clima, porém não vejo muitos problemas em enfrentá-los”, explica o aluno, que será encaminhado para Kursk e se juntará a mais de 50 brasileiros que estudam medicina na Universidade e residem no alojamento disponibilizado pela instituição. A cidade possui uma das principais faculdades da Rússia, que tem o reconhecimento da Organização Mundial da Saúde. Apresenta modernos laboratórios em sua estrutura, além de 28 hospitais afiliados e programas especiais que oferecem aos estudantes uma aproximação inovadora na preparação e na prática médica.

O interesse em conhecer uma nova cultura chama a atenção dos estudantes brasileiros. “Sempre quis ir para a Rússia, pois gosto da história do país. Vi a notícia e procurei me informar sobre as vagas. Depois disso, me inscrevi no processo seletivo e fui chamada”, diz Mariana Costa Cavalcante, 19 anos, que irá realizar a Faculdade Preparatória (FP) para o curso de Relações Internacionais em BelGu. A universidade tem mais de 25 anos de experiência em receber estrangeiros. São mais de 18 mil alunos que cursam uma de suas 48 especialidades, o que faz da faculdade uma das referências do ensino russo.

A economia também é um fator determinante para aqueles que optam por estudar na Rússia. No curso de Medicina em Kursk, por exemplo, o aluno investe por ano US$ 2.600,00 (R$ 5.330,00) para realizá-lo em russo e US$ 3.700,00 (R$ 7.880,00) para concluí-lo em inglês. Nos valores anuais estão inclusos: seguro médico, tutoria acadêmica e benefícios como distribuição de livros e moradia, concedidos pelo governo russo.

Vale lembrar que não é necessário ter qualquer conhecimento na língua russa ou inglesa para ingressar em uma das faculdades do país. Os alunos podem iniciar o processo de adaptação na FP, onde aprendem o idioma escolhido aplicado à futura área de atuação. Logo após, eles são encaminhados diretamente para o primeiro ano da faculdade. Com duração de nove meses, o curso da Faculdade Preparatória, pode ser realizada tanto na Rússia quanto no Brasil.

Estudo reconhecido

A Aliança Russa é representante oficial das principais universidades russas no Brasil desde 2005. Seu trabalho consiste na seleção dos candidatos, no processo de orientação da faculdade, na obtenção da documentação necessária para o visto da permanência legal do estudante na Rússia, na entrega da vaga e posterior inscrição na universidade, no encaminhamento do aluno para FP e, posteriormente, para o primeiro ano do curso escolhido e na assessoria durante a viagem até a chegada do estudante ao seu local de destino. Ao longo desses anos, a entidade já enviou mais de 270 brasileiros para a Rússia.

O candidato interessado em estudar na Rússia passa por um processo seletivo avaliado pela universidade de sua escolha e administrado pela Aliança Russa que inclui reunião com os pais, análise de histórico escolar, exames de saúde, exames toxicológicos e checagem de antecedentes criminais, tudo para garantir que o aluno se encaixe no perfil da faculdade.

Ao voltar para o Brasil, o estudante submete o diploma adquirido a um processo de reconhecimento em uma universidade brasileira, um procedimento padrão para qualquer brasileiro que faça graduação em centros de ensino estrangeiros. A boa novidade é que a partir de 2010, os diplomas das universidades russas passarão a ser reconhecidos em toda União Européia (o chamado Diploma Único de Estudos Superiores da Europa).

 

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário