Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Indicação geográfica

O diretor da Divisão de Administração de Pessoal, Antonio Henrique Polastri Rodrigues, membro da Comissão de Propriedade Intelectual da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), protocolou no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) o pedido de registro da Indicação Geográfica “São João del-Rei”, para peças artesanais em estanho. A ideia é buscar a certificação da identidade histórico-cultural do município pela sua produção de arte em estanho. A iniciativa é uma parceria com a Associação dos Artesãos de Peças em Estanho de São João del-Rei (AAPE).

“A rotulagem da produção artesanal no município proporcionará às empresas produtoras a certificação de seu produto como qualificado e procedente de um território renomado culturalmente, ou seja, São João del-Rei será uma Indicação de Procedência na fabricação de artefatos de estanho”, explica Antônio.

Os critérios analisados para a indicação do produto foram intervenção artesanal, qualidade do produto, responsabilidade social e ambiental. A produção das peças em estanho na região é característica do século XVIII e foi retomada na década de 1960, quando o inglês John Somers aplicou técnicas europeias na fabricação das peças.

Para Polastri, é extremamente necessária a valorização da fabricação do estanho na região. “Reunimos os produtores de peças em estanho a fim de reconhecer a produção no território, para que esta não se dissolvesse”, afirmou.

“Será criado um Conselho Regulador da Indicação de Procedência, composta pelos produtores e representantes de entidades que apoiam a atividade, a fim de que se controle a composição do estanho nas peças e garanta a regularidade da rotulagem”, afirmou Polastri, sobre a fiscalização que originará a qualidade são-joanense do artesanato em estanho.

Comprovação científica

O projeto enviado contou com a participação e reunião de oito das dez empresas que atuam na cidade, além de artigos acadêmicos que reforçam a importância do produto para a cultura local. Um dos artigos utilizados foi “Certificação de identidade histórico-cultural da produção de base artesanal mineira”, elaborado por pesquisadores da UFSJ, professores Marcos Vieira Silva e Valéria Heloísa Kemp, ambos do Departamento de Psicologia (Dpsic), e Maria de Lourdes Mansur de Godoy do (Decis).

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário