Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Humanização

O Hospital Universitário Clemente de Faria, da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), tem a humanização do atendimento como meta. São diversas as ações e projetos implementados na instituição para a melhoria da qualidade do atendimento.

Entre as ações voltadas para a humanização implementadas no Hospital estão o projeto “Terapia da Beleza”; o grupo “Doutores do Riso”, as “doulas” – que prestam auxílio às parturientes –, a Associação das Voluntárias Amigas do Hospital Universitário (Avahu), além da realização de eventos em datas comemorativas. Também são mantidos os serviços de ouvidoria, assistência psicológica e de terapias complementares, assim como a escola de pedagogia hospitalar, que permite que a criança internada para tratamento possa cumprir normalmente suas atividades escolares.

A diretora administrativa do Hospital Universitário, Joelina da Conceição Alves de Almeida, ressalta que a humanização proporciona ganhos tanto para os pacientes como para os próprios servidores. “Podemos perceber uma maior organização e a melhoria das condições de trabalho. Os usuários recebem uma assistência de melhor qualidade, diminuindo o tempo de espera e de realização de todos os exames que eles precisam”, observa Joelina Almeida.

A atuação da Associação das Voluntárias Amigas do Hospital Universitário (Avahu) é uma das ações-destaque. Formada por 40 mulheres, elas desenvolvem atividades rotineiras como o fornecimento diário de lanches para os pacientes e seus acompanhantes e a doação de kits de produtos e materiais de higiene (sandália, escova e pasta de dente, entre outros). Fazem, também, o fornecimento de roupas para os bebês de mães carentes e os eventos de datas comemorativas.

“É um trabalho puramente voluntário. Fazemos isso com muito amor, carinho e espiritualidade, desprovidas de qualquer apego material; somente pelo prazer de ajudar ao próximo. Sentimo-nos muito gratificadas com essa ação”, afirma a presidente da Avahu, Maria da Soledade Oliveira Silva, a dona “Dada”.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário