Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Escultores do barroco

 

Uma pesquisa desenvolvida há cerca de dez anos pelos restauradores e membros do Centro de Estudos da Imaginária Brasileira (Ceib), Carlos Magno de Araújo e de Edmilson Barreto Marques, está lançando luzes sobre o trabalho de outros mestres seticentistas mineiros.

Parte dos resultados desta pesquisa poderá ser conhecido pelos são-joanenses e turistas, durante a exposição “Mestres Escultores do século XVIII”, que o Centro Cultural da UFSJ abre nesta quinta-feira (2/04, às 20h). A exposição fica em cartaz até o dia 3 de maio e poderá ser apreciada durante a Semana Santa, quando a arte sacra toma especial importância na barroca São João del-Rei.

Na mostra, estarão cerca de 30 trabalhos de seis mestres recentemente descobertos. “Chamamos de mestre o artista mais significativo de uma comunidade do período colonial, era o instrutor, aquele de maior experiência, que ensinava os outros”, define Carlos Magno. Assim, o público poderá apreciar trabalhos do Mestre do Cajurú, Mestre Santeiro de Garambéu, Mestre de Lagoa Dourada, Mestre Manoel João Pereira, Mestre Valentim Correia Pais e Mestre de Vitoriano Veloso. Do elenco de escultores coloniais, os curadores da exposição destacam o Mestre de Lagoa Dourada, cujos trabalhos serão apresentados pela primeira vez no Centro Cultural.

O Centro Cultural da UFSJ fica no Largo do Carmo, 17, Centro – São João del-Rei.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário