Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Cana-de-Açúcar

A partir da próxima semana (25/03), o mercado produtor poderá contar com 13 variedades de cana-de-açúcar desenvolvidas pela Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro (Ridesa) que, na ocasião, fará o lançamento do Catálogo Nacional de Variedades RB de Cana-de-Açúcar. A cerimônia será realizada em Brasília e terá a participação da Universidade Federal de Viçosa (UFV), única instituição federal de ensino superior de Minas a integrar a Ridesa.

A Ridesa é formada por dez universidades federais: UFV, UFRPE, UFPR, UFSCar, UFRRJ, UFS, UFAL, UFPI, UFMT e UFG. Foi criada com a finalidade de incorporar as atividades do Programa Nacional de Melhoramento da Cana-de-Açúcar (Planalsucar) era vinculado ao Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), órgão do Ministério da Indústria e do Comércio.

O Planalsucar foi extinto em 1990, juntamente com o IAA. Com isso, o acervo técnico e patrimonial do Programa foi incorporado por algumas universidades, como ocorreu com a UFV, em relação à Estação Experimental de Cana-de-Açúcar, localizada no município de Ponte Nova. Posteriormente, essa unidade passou a ser denominada Estação Regional da Zona da Mata Mineira e, finalmente, Coordenadoria Regional Centro, com área de atuação em Minas, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Com 19 anos de atuação, a Ridesa utiliza 31 estações experimentais estrategicamente localizadas nos estados nos quais se destaca a produção de cana-de-açúcar.

Catálogo

As variedades a serem lançadas contam com material genético de ponta, testados em diferentes ambientes de produção de regiões canavieiras. No Catálogo Nacional, será possível conhecer cada uma dessas variedades, que são mais produtivas, geram maior lucro para as empresas e representam quantidade superior de açúcar por área.
As variedades RB representam 60% da área cultivada no Brasil. Cada uma delas resulta de pesquisa em várias áreas, que permite, entre outras ações, a identificação de genes que controlam a tolerância a estresses hídricos, temperaturas elevadas, pragas e enfermidades.

Como informa o professor Márcio Henrique Pereira Barbosa, do Departamento de Fitotecnia da UFV, as variedades de cana-de-açúcar são codificadas por letras e números. A sigla RB (inicialmente República do Brasil e, agora, Ridesa Brasil) tem sido utilizada pelos pesquisadores envolvidos no melhoramento genético da cana-de-açúcar.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário