dcsimg

Vestibular em

Profissão: Dentista

 

Ao contrário do que muitos acreditam, a odontologia não cuida apenas dos dentes. O dentista também pode se especializar em áreas relacionadas à boca, ao rosto e até ao pescoço.

 


Quem ingressa em uma faculdade de Odontologia quase sempre fica surpreso ao descobrir as diversas possibilidades de atuação de um cirurgião-dentista. Além do trabalho no consultório odontológico, esses profissionais exercem suas habilidades dentro de hospitais, meio a uma equipe de profissionais de outras áreas; em laboratórios, realizando análises patológicas, ou até mesmo, em meio a uma equipe de legistas.

Além da prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças bucais e maxilares, o dentista é responsável também pelo tratamento de todas as estruturas anexas à boca, como face e pescoço, abrangendo ossos, musculatura mastigatória, articulações, dentes e tecidos.

“Nunca pensei que um dentista poderia fazer uma cirurgia de reconstrução da face. Eu achava que esse tratamento era feito por médicos”, comenta a estudante de Odontologia Nathália Barros Caetano.

Nathália vislumbra  todas as possibilidades que lhe são apresentadas. Mas sabe que, para seguir a carreira, foi preciso ter duas características quase que fundamentais: a habilidade com as mãos e a facilidade em lidar com pessoas. “É essencial que o dentista tenha habilidade manual, boa coordenação motora e gosto pelo estudo e pesquisa. Mas antes de tudo é preciso ter sensibilidade para se relacionar com pessoas”, explica José Luiz Cintra Junqueira, professor do curso de Odontologia da Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic, de Campinas-SP.

Outro quesito que não se deve deixar de lado na hora de escolher a profissão de dentista é a rotina de estudos. Nunca parar de estudar é regra fundamental para quem deseja atuar no cenário da Odontologia, no qual as informações giram em alta velocidade e a tecnologia renova-se em cerca de cinco anos. “Atualmente, contamos com computadores capazes de gerar um modelo virtual de estudo e prever se um tratamento odontológico irá dar certo ou não, preservando o bem-estar do paciente. Há ainda a utilização de tomógrafos para a visualização de imagens radiográficas. Uma tecnologia que não fazia parte da rotina dos dentistas formados há 10 anos, que utilizavam somente o Raio-X convencional”, completa Junqueira.

Pela sua abrangência, a formação do cirurgião-dentista é basicamente a mesma daquelas de outros profissionais ligados à área da saúde. Durante o curso, com duração média de quatro anos, o aluno tem aulas de anatomia, histologia, patologia, fisiologia e farmacologia, além de muitas aulas práticas em laboratório. Há ainda um estágio obrigatório a ser cumprido no final do curso.
Atualmente, uma forte tendência da carreira é a da especialização. Assim como na medicina, um dentista pode escolher áreas de atuação, como por exemplo, cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial, odontopediatria, patologia bucal, implantodontia, prótese dentária e radiologia.

Uma das áreas mais promissoras é a ligada à estética oral. Destacam-se os ortodontistas, implantodontistas e profissionais da área de Dentística. Outro segmento com enorme destaque é o da pesquisa e desenvolvimento de novas técnicas e materiais, a fim de desenvolver novos tratamentos e aprimorar os tratamentos já existentes.

"Para ser dentista, é preciso estar estimulado por todos esses desafios. Se alguém estiver pensando só em ganhar dinheiro com a carreira, pode desistir, porque vai se frustrar", garante Junqueira.


Por: Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo