dcsimg

Vestibular em

O que faz a diferença profissional?

Como se diferenciar dentro da empresa quando todos são qualificados?

Com tantas faculdades no Brasil nas mais diversas áreas, inúmeros profissionais com excelentes qualificações técnicas são despejados no mercado a cada semestre. Existe emprego para todos? Com esse enorme número de formandos por ano, a competitividade aumenta, trazendo à realidade a necessidade de criar um diferencial no ambiente de trabalho. E, nos dias de hoje, a maior fonte de diferenciação, é ... a ATITUDE!

Se antes a empresa escolhia o funcionário, hoje o colaborador também escolhe a empresa. A vida, as empresas e o mundo moderno pedem pessoas com talentos diversificados e forte capacidade de fazer acontecer. Pessoas com foco, que criam seu caminho, mudam sua história, se preparam para as oportunidades e não se deixam tornar escravos da má administração do tempo. Para outros, no entanto, por não saberem para onde vão e como chegar lá, o caminho nunca faz diferença.

Procura-se profissionais que tiveram problemas e dificuldades e souberam ir além dos obstáculos, saindo fortalecidos. Nesse contexto, uma competência muito valorizada é a RESILIÊNCIA (palavra que, na física, designa a capacidade de um objeto resistir a choques e manter sua forma original).

Na vida profissional, resiliência é a capacidade que as pessoas têm de atravessar situações de crise e de adversidade, tanto de cunho empresarial, social quanto familiar, sabendo superá-las, fortalecidos e transformados positivamente. A pessoa que possui resiliência desenvolve a competência de reconstruir-se e moldar-se novamente a cada obstáculo, a cada desafio. Se transpusermos o raciocínio para o cotidiano, poderemos observar que, quanto mais resiliente a pessoa for, haverá menos doenças e perdas e mais desenvolvimento pessoal será alcançado. Porque, hoje, as empresas buscam colaboradores com ótima saúde física para agüentar o estresse, a pressão, a correria e as muitas horas de trabalho; sem saúde, sua carreira estará fadada ao fracasso.

Neste mercado, procura-se pessoas automotivadas,, alegres, de bem com a vida, felizes com suas escolhas, otimistas e que não dependem do ambiente externo para se sentirem motivadas. Profissionais que equilibram a vida pessoal com a profissional, trazendo as experiências de uma esfera para a outra. Entusiasmo não pode ser treinado, tem que vir de dentro.

Procura-se pessoas que queiram ir além, dar um passo a mais, fazer mais do que lhes foi solicitado e, assim, exceder às expectativas. Pessoas com disposição para o crescimento (que depende de muito trabalho, envolvimento e comprometimento) e que estejam integralmente ligadas naquilo que se propuseram a fazer.

O mundo busca pessoas transparentes e com valores bem definidos, que tenham clareza de que a ética é uma obrigação e transmitam a sua confiabilidade. No Brasil, em ano de eleição e, após seguidas CPIs e escândalos políticos, ética é uma qualificação imprescindível.

Por fim, mas não menos importante, procura-se pessoas que tenham AMOR pelo que fazem e, por isso, encantam, conquistam, divertem: alinham o prazer às habilidades, colocando sua alma em tudo que fazem.

São estes os profissionais que nunca esquecemos.

 ________________________________________________________
Por:  Vivian Maerker Faria (Diretora da SEC Talentos Humanos, consultora em Recrutamento, Psicóloga pela PUC-SP, Pós-Graduada em Administração de Recursos Humanos pela FAAP-SP e em Gestão de Negócios para Executivos pela FGV-SP).

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo