dcsimg

Vestibular em

O ato de estudar

Quando o resultado dos estudos não aparece, é hora da mudança de mentalidade, de hábitos e de atitudes; da revisão de métodos e da descoberta da sua melhor maneira de aprender.
 
Estamos, a todo o momento, tendo oportunidades de aprender. Se pensarmos bem, o nosso processo de aprendizagem se inicia muito antes do nosso ingresso em uma escola. Numa aprendizagem informal, temos a liberdade de selecionar o que queremos aprender e o que queremos estudar. Para uns, o estudo de um manual de instrução de um aparelho eletrônico é prazeroso e facilmente assimilado, enquanto para outros uma inspiração desencadeia horas de estudo e transforma-se em sinfonia sem o mínimo de estresse.
 
Quando pensamos no processo de aprendizagem formal, da pré-escola ao ensino superior, deparamos com a impossibilidade de só estudarmos aquilo que gostamos ou que queremos estudar. É necessário encarar uma grade curricular com ingredientes que para uns pode ser doce e para outros amargo e vice-versa; é necessário entender que, indiferente do sabor, esses conteúdos são essenciais para a sua formação, facilitando a sua inserção no mundo do trabalho e favorecendo a sua caminhada em direção à realização dos seus projetos e da sua autonomia.
 
É evidente que a decisão de estudar só pode ser sua; é evidente, também, que a sociedade está cada vez mais seletiva e que as oportunidades poderão ser maiores para aqueles que se dedicam mais. Portanto, se faz parte do seu projeto vencer essa parada, mãos à obra.
 
Sugerimos uma reflexão com o objetivo de melhorar o seu rendimento nos estudos. O que certamente aumentará o seu nível de satisfação e a eficácia do seu processo de aprendizagem. Para tal, propomos a análise dos seguintes aspectos:
 
Motivação
A fome de conhecimento e a valorização do estudo são importantes fatores para o crescimento da pessoa e para o seu futuro profissional. Elas estimulam a inteligência e a vontade de aprender, permitindo superar as dificuldades com criatividade e obter melhores resultados em menos tempo e com menos fadiga.
 
Técnicas de estudo
Em sala de aula ou individualmente, a eficácia dos estudos começa com a calma (interna e externa) e a concentração. Certa dose de boa vontade e a capacidade para alternar dever e prazer já é um bom começo.
 
Em sala de aula, leva mais vantagem aquele aluno motivado, pontual, concentrado e disposto a uma participação produtiva, que significa intervir, pedir esclarecimentos, expor opiniões. Fazer anotações adequadas também é um diferencial, pois elas funcionam como um potente subsídio aos estudos. Ao fazê-las, conserve a concentração para não perder as partes essenciais da explicação, sintetize para selecionar as idéias principais da forma mais breve e mais clara possível e adote um método de anotações que mais lhe convier, recorrendo o quanto possível a abreviações de palavras, símbolos matemáticos, esquemas e mapas conceituais.
 
Individualmente, a eficácia do estudo está condicionada, além dos fatores já mencionados, a outros como: o local de estudo que deve ser o mais tranqüilo possível, sem interrupções (trânsito, TV, telefone), bem iluminadas e confortáveis; o método de estudo adotado que deve envolver, inicialmente, uma leitura rápida do conteúdo, seguida de outra mais analítica para diferenciar as informações e da elaboração de um esquema resumido visando à memorização. Para finalizar, pesquise para aprofundar um argumento ou esclarecer dúvidas.
 
Administração do Tempo
Um outro fator que merece destaque é a administração do tempo do estudante. Estudar, como qualquer outra atividade, exige a elaboração de um planejamento, e uma dosagem de disciplina e de organização para que os objetivos sejam alcançados. Apesar de não se poder padronizar, pois cada pessoa tem o seu ritmo próprio, durante o seu período de estudo, conceda breves momentos de pausa após 45 a 60 minutos de intensa atividade.
 
Realização de provas
O segredo para ter bom desempenho nas provas é preparar-se com antecedência, relaxar e liberar o pensamento. Pensar no fracasso, antes mesmo de fazer uma prova, desvia a concentração e gera ansiedade. Entre os fatores mais estressantes está a pressão sobre si mesmo para alcançar os melhores resultados. É aconselhável conscientizar-se de que está fazendo o melhor possível. Faça primeiro as questões mais fáceis, deixando as mais difíceis para o final; leia as instruções e as questões com muita atenção. Rever suas provas, cuidadosa e atentamente, analisar seus erros e usar o que aprendeu com esta análise na sua próxima prova é sempre uma boa estratégia.
 
Escolha profissional
Uma escolha profissional bem dimensionada poderá significar um estímulo para o seu investimento nos estudos e, com certeza, será um fator que propiciará maior e melhor adequação à fase de vida adulta.
 
Procure pensar a questão da sua escolha profissional com tempo suficiente para aprofundar o conhecimento sobre si mesmo (potencialidades, habilidades, interesses mais significativos, projeto de vida, valores...) e sobre os diversos cursos, instituições de ensino, realidade do mundo do trabalho.
 
Acreditamos que essas orientações produzirão um efeito positivo em seu desempenho e desejamos que os seus estudos possam ser vivenciados de maneira agradável e prazerosa e não como um mero cumprimento de demandas externas.
 
__________________________________________________________________________

Por: Maria Amélia Magalhães Zanini (Pedagoga / Especialista em Orientação Profissional) e Maria das Graças Gontijo Rodrigues (CRP 04-1069 - Psicóloga / Especialista em Orientação Profissional) Integrantes da Equipe VOCATIO - Orientação Vocacional Ocupacional.

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo