dcsimg

Vestibular em

O assistente social

 

No dia de comemoração da profissão, um novo enfoque dado para a Carreira: mais espaço nos hospitais, reflete em conforto para pacientes

O Dia do Assistente Social é comemorado em 15 de maio, data que marca a criação da profissão de Serviço Social. Hoje, com 73 anos de existência e 52 de regulamentação no Brasil, o trabalho deste profissional é reconhecer as necessidades dos indivíduos e propor formas de buscar o bem estar social.

Estes assistentes sociais que não há muito tempo deixaram de exercer seu trabalho apenas em órgãos públicos, ingressaram também nos hospitais. Uma grande questão levada por eles é a humanização nos hospitais, onde a rotina extenuante muitas vezes inibe uma maior aproximação entre funcionários e clientes. Por isso, disponibilizam um canal extra de interação entre a equipe de cuidados médicos e a administração do hospital com o paciente e seus familiares.

Cuidado
É comprovado que aliar cuidados médicos a um atendimento personalizado ajuda na recuperação de pacientes e o trabalho desse profissional vai além, tratando para que a internação do doente seja o mais confortável possível. Para isso, cuidados como visitas diárias e o contato com a equipe médica sobre a situação do paciente são rotina.

O Complexo hospitalar Santa Genoveva, em Uberlândia (MG), é um exemplo desta vertente da profissão. Disponibiliza o serviço há quase oito anos. A equipe de profissionais atende, na maioria dos casos, pacientes internados na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) geral e coronariana. "Visitamos cada paciente e perguntamos coisas simples como o que ele quer comer no dia, se está tudo no seu agrado. Isso faz uma diferença imensa para eles e para as famílias. É um alívio neste momento de dor", explica a assistente social do Santa Genoveva, Rita de Cássia.


Conforto
Prestando informação e amenizando a angústia das famílias, as assistentes sociais procuram também deixá-los a par da situação do doente. "Explicamos as normas e rotinas da UTI, passamos o boletim médico para os familiares e ainda, quando necessário, agendamos visitas extras ou fora do horário. Tudo para tranquilizar a família e o enfermo", conta Rita.

Com a equipe muito bem qualificada, acessível e motivada o período de internação torna-se mais fácil. "Nos hospitais, muitas vezes, não sabemos a quem apelar em caso de dúvida ou problema. Mas com a assistente social sabemos exatamente a quem recorrer", afirma Miguel, um acompanhante de paciente da UTI.

Para a família o trabalho das assistentes tem um grande valor. "Surpreendemo-nos com o trabalho da assistência social, sempre disponível, atendendo com a maior boa vontade, dando apoio para todas as famílias", garante Miguel.


Serviço social no Brasil
No Brasil, o Serviço Social foi criado em 1936, a partir das iniciativas de líderes da Igreja Católica, inspirados pela nova Encíclica Social, redigida pelo Papa Pio XI e publicada no dia 15 de maio de 1931. A profissão cresceu sob a liderança da Igreja e, até o início dos anos 60, recebeu a influência direta e decisiva da sua "Doutrina Social".

Em 1957, a lei n ° 3.252/57 regulamentou a profissão de assistente social no país. Os conselhos profissionais surgiriam apenas em 15 de maio de 1962. Em 1993, uma nova regulamentação profissional estabeleceu as atribuições privativas do assistente social e alterou a denominação dos órgãos de fiscalização do exercício profissional para Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) e Conselho Regional de Serviço Social (CRESS).

Por: Lead Comunicação

 

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo