dcsimg

Vestibular em

Educação para o planeta

Escola da Água, em Nova Lima (MG): projeto que busca despertar nas crianças, adolescentes e na comunidade a consciência sobre a importância da preservação dos recursos hídricos existentes.


Crianças aprendem a plantar mudas

A água é uma substância inestimável para manter a vida e o equilíbrio do planeta. Na verdade é a água existente na Terra que diferencia o nosso planeta de milhares de outros conhecidos pelo homem no universo. Pelo que se sabe, a Terra é o planeta mais abundante em água, tendo aproximadamente 70% de toda sua superfície composta por esta valiosa substância. Mas se isso é uma boa notícia, sabe-se também de uma não tão refrescante, já que para o consumo de mais de seis bilhões de pessoas, apenas 0,007% do total da água da terra está disponível, pois 97% é salgada e imprópria para beber, o restante é gelo ou está em rios subterrâneos, escondidos no interior do planeta.

Neste sentido, é fundamental uma boa administração deste recurso de forma que se possa criar soluções práticas para a situação crítica em que o planeta se encontra. Hoje, já se passou e muito do sinal amarelo, vive-se em alerta vermelho. Os alarmes estão sendo dados e os efeitos da poluição, destruição e da má administração da natureza estão se tornando cada vez mais desastrosos e dificilmente reparáveis. A sociedade tem que entender e se conscientizar que atender o pedido de socorro da Terra não é uma escolha, mas um ultimato. Pois o futuro só existe com a saúde do planeta.

Pequenas ações, grandes mudanças

Dentro deste contexto, é clara a necessidade de mudar o comportamento do homem em relação à natureza e efetivar ações para restabelecer o equilíbrio do planeta. Uma dessas ações de responsabilidade ambiental nasceu na pequena cidade de Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte. Lá foi inaugurada a primeira Escola da Água de Minas Gerais (foto), e segunda do Brasil. Sob a coordenação da bióloga e especialista em Gestão Ambiental, Thais Helena Prado, o projeto busca despertar nas crianças, adolescentes e na comunidade da região a consciência sobre a importância da preservação dos recursos hídricos existentes.

“Sabemos que os municípios e a comunidade em geral não possuem subsídios e ferramentas adequadas para gerir os recursos naturais de forma efetiva e com resultados visíveis, não apenas no âmbito social ou econômico, mas também no que se refere à questão ambiental. A partir deste pressuposto percebemos a necessidade de criar um programa que de forma continuada dê suporte aos municípios para instituir uma nova ética da água”, afirma a coordenadora.

Segundo a bióloga, a Escola da Água pretende ser um vetor de mudança de comportamento, educando a população e mostrando caminhos para a construção de uma cidade mais sustentável. “A educação ambiental é um ponto relevante para mudança de valores e atitudes do ser humano, desta forma, a consciência para o desenvolvimento sustentável motiva e envolve indivíduos e grupos sociais, levando-os a refletir sobre a forma como vivemos e trabalhamos atualmente, e principalmente a tomar decisões conscientes e criar formas de se trabalhar por um mundo melhor”.

A Escola é constituída por um espaço físico com dois monitores onde são desenvolvidas atividades interativas, em torno do tema água-ambiente. Além disso, o Projeto criou uma rede de ações e idéias que são levadas até as escolas do município para incentivar e apoiar uma nova forma de aprender, que envolve os professores e alunos, explorando as possibilidades de integrar ou reintegrar a escola com a comunidade.

O principal foco da Escola são as crianças e os jovens, que de acordo com a coordenadora, servem como difusores de ações ambientais, quando são bem informados e orientados através de programas que despertam seu interesse pelo tema. “Quando eles se sentem responsáveis começam a cobrar dos adultos a importância de cuidar e preservar os recursos hídricos. Além disso, eles serão os adultos de amanhã, portanto, é preciso contribuir para a formação de indivíduos conscientes e engajados para concepção de uma reflexão crítica e uma ação criativa capaz de atuar no processo de transformação de sua realidade, permitindo o desenvolvimento de uma sensibilização dos problemas ambientais”, explica Thais.

Cronograma

As atividades são dinâmicas e interativas. A comunidade é convidada a participar, pensar e discutir sobre as questões ambientais locais, como por exemplo, os alunos da rede de ensino municipal são orientados pelos monitores da Escola da Água a assumirem um papel mais ativo no processo de conscientização.

Auxiliados pelos monitores, os professores de ciências do ensino médio ensinam aos alunos a composição física e química da água e em seguida levam os estudantes para o espaço Escola da Água. Lá o tema é discutido por meio de palestras, vídeos e análises microscópicas de organismos aquáticos. Depois os alunos realizam uma visita aos córregos do município para fazer a coleta de água, em seguida é feita uma análise físico-química para diferenciar água limpa da poluída. Já os alunos do ensino fundamental visitam o espaço, onde estudam conceitos sobre o ciclo hidrológico, aquecimento global e efeito estufa, fazem excursões aos córregos para realizar plantio de árvores nas margens.

Uso consciente

Os visitantes são orientados a preservar e economizar não só a água da escola, mas também a água da sua residência, através de um software de economia de água. Os alunos levam as contas de água ao Centro e com a ajuda da ferramenta verificam os gastos e possibilidades de economia.

Sabendo que a água é o fio condutor de iniciativas voltadas à inovação, ao desenvolvimento científico, à integração empresa-sociedade e ao desenvolvimento regional sustentável, a Escola objetiva, ainda, tornar a pesquisa científica mais próxima e rapidamente convertida em elementos de conscientização ambiental.

Para a bióloga é necessário difundir e transferir os conteúdos adquiridos pelas pesquisas para que possam subsidiar o crescimento humano, cientifico e tecnológico de forma mais ampla. “Para engajar de vez o país nesse Projeto de educação ambiental, estamos buscando recursos e parcerias para criar um site, elaborar uma série de cartilhas da Escola da Água, que incentivem a comunidade e o governo mineiro a levar a Escola da Água para outras regiões do estado de Minas e futuramente para outros estados”, finaliza.

O projeto conta com a colaboração do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Recursos Minerais, Água e Biodiversidade (INCT-ACQUA), vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT). A primeira Escola da Água do Brasil foi implantada no município de Bocaina, em São Paulo, no ano de 2005.

Por: Assessoria do CNPq

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo