dcsimg

Vestibular em

Ambição saudável

 

Não existe sucesso sem ambição e a ambição, muitas vezes é mal interpretada, geralmente com uma conotação parcial ou totalmente negativa. Pessoas ambiciosas não são, necessariamente, aquelas que trapaceiam e lançam mão de tudo para alcançarem seus objetivos.

A ambição pode ser saudável, quando está ligada à ética e a valores fundamentados na ecologia humana. Querer crescer e se desenvolver é ambição saudável. Faz o país crescer, o mundo engrandecer.

Considero um erro atrelar o conceito de ambição com ficar rico, ganhar muito dinheiro a qualquer preço. A ambição pode não estar ligada ao dinheiro. Por exemplo, Madre Tereza de Calcutá tinha a ambição de servir a humanidade. As pessoas que estão como voluntárias na Ásia, após o fenômeno tsunami, têm a ambição de ajudar os necessitados.

No mundo dos negócios, faz parte do perfil de todo empreendedor, ser ambicioso. Para o empreendimento dar certo, crescer cada vez mais, o empreendedor não pode se acomodar nunca. Ele precisa querer cada vez mais. O dinheiro pode ser uma das conseqüências da ambição. O reconhecimento pode vir através de outras gratificações que eu chamo de altruísta. Pode ser o auto-reconhecimento, a satisfação de ter alcançado suas metas e objetivos, o prazer de ter realizado um sonho, de ter concretizado uma idéia, de ter gerado mais empregos. Ninguém cresce sozinho. Quando o empreendimento cresce, o número de pessoas envolvidas, também aumenta. A satisfação de todos é proporcional aos resultados positivos obtidos.

Observo que pessoas ambiciosas no sentido de conseguir fama e ou dinheiro a qualquer preço, acabam se machucando no decorrer do processo. Elas não adquirem a paz interior necessária para continuar seus projetos. Nunca estão satisfeitas com os resultados, não porque são empreendedoras, mas porque a ambição está fundamentada em conseguir resultados através do outro e não através de seus próprios méritos. São pessoas que não se preparam, mas buscam ficar muito perto de quem o faz para pegar uma carona. Ou ainda, vinculam o seu desenvolvimento no não desenvolvimento do outro. Querem oportunidade sem ter que desenvolver o preparo, pois contam com o preparo do outro ou com a sua destruição.

Quando um atleta vai para as olimpíadas e ganha uma medalha de ouro, se emociona porque sabe o quanto se preparou para estar no pódio. No mundo corporativo, quando estamos estudando, fazendo cursos, pesquisando, lendo, observando, anotando, registrando, aprendendo coisas novas, fortalecendo os pontos fracos, não temos idéia de quando vamos usar todo este preparo. Não temos idéia se alguém vai notar ou valorizar que temos este preparo.

A oportunidade de colocar em prática tudo que foi construído dia a dia é uma questão de tempo, pois sempre há alguém, em algum lugar, precisando de um profissional preparado. Aquele que faz o navio andar porque sabe dar a martelada certa no lugar certo na primeira martelada, para não perder tempo, para o navio chegar logo ao seu destino. E o resultado disso é o prazer, a satisfação de ter conseguido chegar a algum lugar.

Podemos, portanto, liberar-nos internamente para sermos ambiciosamente saudáveis e, assim, construirmos nossas vidas em direção ao bem-estar: aquele lugarzinho dentro de nós deliciosamente confortável, porque faz com que coloquemos a cabeça no travesseiro com a tranqüilidade de estarmos contribuindo para que o mundo seja melhor.


__________________________________________________
Por: Kátia Ricardi de Abreu (Psicóloga graduada pela PUCCAMP, especialista clínica em Análise Transacional pela ALAT e UNAT-Brasil, consultora de empresas, palestrante e escritora) Contato: por e-mail e telefone: (17) 3233-2556.

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo