dcsimg

Vestibular em

Página inicial : artigos

A Vida com Instruções

 

“A botinha representa a nossa caminhada na vida. Subi e desci. Andei depressa e devagar. Cansei e descansei. Entristeci e me alegrei. E, assim, sempre caminhei. Hoje estou gasta e cheia de marcas, mas com a certeza de que valeu a pena.” (Ditinho Joana)

 

 

(...) Ler o jornal, acessar a internet, ouvir o rádio – atualizar-se. Fazer telefonemas, responder e-mails, participar de reuniões – comunicar-se. Tomar banho, fazer as refeições, praticar esportes – cuidar-se. A vida é uma sucessão de ações cotidianas (que se repetem diariamente), corriqueiras (desenvolvidas cada vez mais em alta velocidade) e rotineiras (do francês routine, o caminho muito frequentado).

Há um costume equivocado, em meu entender, compartilhado por muitos. É o hábito de separar prazer de obrigação, trajeto de destino, vida pessoal de profissional. Assim, vejo pessoas declararem que sonham passar os últimos dias de suas vidas em uma casa no campo, longe da agitação urbana. E outros que afirmam trabalhar com afinco durante meses apenas para garantir a posse de alguns bens ou uma viagem de lazer no próximo interlúdio.

Ditinho Joana é um artesão nascido, criado e residente na pequena São Bento do Sapucaí, em São Paulo, próxima à divisa com Minas Gerais. Em seus 35 anos de carreira tem talhado em madeira de lei parte de sua história e da vida rural local, lançando mão apenas de uma machadinha, um canivete e um formão. As obras são esculpidas em bloco único, dispensando o uso de colagens ou encaixes. E seu trabalho faz-me lembrar da declaração de Michelangelo, ao cinzelar em pedra, de que “apenas tirava as sobras, pois a estátua já estava lá".

O ícone do trabalho de Ditinho é uma bota. Simples, amarrotada, calejada. A bota que capinou o chão, que escalou montanhas, que pisou o barro. A bota que o conduziu de lavrador a artista, que edificou sua casa e construiu sua família.

Atendendo hoje em seu próprio ateliê, seu sorriso gracioso denuncia que a trajetória – cotidiana, corriqueira e rotineira – valeu a pena.

A vida que a gente vive parece herdada com instruções, uma bula escrita pelos ascendentes e pela sociedade ensinando-nos o “como usar”. O que devemos, podemos ou não dizer e fazer. O que é ético, antiético e aético. O que é moral, imoral e amoral. O que é certo e o que é errado. Tarefas por realizar, planos por concretizar, horários por cumprir. Dias que sucedem, com noites intercaladas, algumas maldormidas, outras serenas pela leveza da boa consciência.

Não dá para ignorar todas as instruções. Mas é possível reescrever algumas. E encontrar prazer na obrigação, contemplar o trajeto até o destino, conciliar vida pessoal e profissional. Descansar em uma casa no campo em um final de semana e não apenas ao final de uma vida.

A lição de Ditinho é para ser aprendida. Espero que minhas botas também fiquem gastas e repletas de marcas. Continuo caminhando...Por: Tom Coelho (autor de “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional”, pela Editora Saraiva; consultor, professor universitário e palestrante). Contatos através de e-mail . Visite seu site .

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

ver todas+ Artigos

06/06/2011

Ficar ou Correr?

02/02/2011

Qual o melhor método para idiomas?

27/09/2010

Uma nova chance para a vida

16/09/2010

É necessário jogar bem com cartas ruins

08/09/2010

Cinco anos de Educação nos Vales

26/08/2010

Como pensa a juventude sul-americana

13/08/2010

Universidades brasileiras no futuro

29/07/2010

Resultado do Enem pode sinalizar tendências

22/07/2010

Trabalho voluntário nas férias

15/07/2010

Pesquisa: Escola pública no limite

08/07/2010

Unimontes dá dicas de saúde para o inverno

Artigos Recomendados