Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Anistia Política

 

O prédio do Coleginho, na antiga Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich/UFMG), em Belo Horizonte, vai ser a sede nacional do “Memorial da Anistia Política”, com arquivos da ditadura. O prédio, na rua Carangola, bairro Santo Antônio, foi escolhido por ser símbolo da resistência política ao regime militar, e de formação da intelectualidade mineira.

Era chamado de “Coleginho” por ter sido construído para ser a sede do colégio de aplicação, uma escola de ensino médio que servia para o aperfeiçoamento dos estudantes de licenciatura da Fafich. Depois, abrigou a Faculdade de Psicologia. A Fafich, que está fazendo 70 anos, viveu seu maior período de efervescência política e cultural depois que foi transferida para o Bairro Santo Antônio, no início da década de 1960. Hoje, funciona no campus Pampulha.

O lançamento do memorial foi feito na semana passada em Brasília, com assinatura de parceria entre a Prefeitura de Belo Horizonte e o Ministério da Justiça. A União vai destinar R$ 5 milhões para recuperar o imóvel, localizado atrás da antiga Fafich, construir um anexo administrativo e uma praça para integrar os 3,8 mil metros quadrados de área.

Escolha
A comissão criada em 2007 para escolher a sede do memorial avaliou outros dois imóveis: o prédio onde funcionou a primeira delegacia de polícia no Rio de Janeiro (na rua da Relação, uma das mais famosas do Rio antigo) e a antiga sede da Polícia Federal, em São Paulo.

O Coleginho venceu por uma parceria do Mistério Público com a UFMG, antiga proprietária do terreno, o que facilitou a implementação, e pelo o fato de o prédio  da Fafich ser um símbolo da resistência à repressão política na capital.

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário